A crescente urbanização e os desafios impostos pelas mudanças climáticas têm pressionado as cidades a buscar soluções inovadoras para problemas ambientais, especialmente relacionados à gestão das águas pluviais. Nesse contexto, o conceito de “cidades-esponja” está ganhando destaque como uma abordagem eficaz e sustentável para lidar com o excesso de água nas áreas urbanas.
 
Cidades-esponja são planejadas e desenvolvidas com infraestrutura que permite a absorção, armazenamento e reutilização da água da chuva. A ideia é imitar os processos naturais do ciclo hidrológico, permitindo que a água se infiltre no solo, seja armazenada em reservatórios subterrâneos ou seja reutilizada para diferentes fins. Isso ajuda a prevenir enchentes, reduzir a carga sobre sistemas de esgoto e melhorar a qualidade da água.(World Economic Forum)
 
A implementação de cidades-esponja traz diversos benefícios. Primeiramente, elas previnem enchentes e alagamentos, pois são projetadas para absorver grandes volumes de água da chuva. Infraestruturas como pavimentos permeáveis, jardins de chuva e bacias de retenção são essenciais para esse controle. Além disso, ao permitir a infiltração da água no solo, ajudam a filtrar poluentes e melhorar a qualidade da água subterrânea, mantendo os lençóis freáticos limpos e saudáveis. Com a intensificação dos eventos climáticos extremos, como tempestades e períodos de seca, as cidades-esponja oferecem uma solução resiliente. Elas armazenam água durante os períodos de chuva intensa e liberam essa água gradualmente, ajudando a manter a estabilidade hídrica durante as secas. A integração de espaços verdes, como parques e jardins, também contribui para a gestão da água, melhorando a qualidade de vida dos moradores, proporcionando áreas de lazer, reduzindo a temperatura urbana e aumentando a biodiversidade.
 
Diversas cidades ao redor do mundo já estão implementando o conceito de cidades-esponja com sucesso. Wuhan, na China, é uma das pioneiras
no desenvolvimento de infraestruturas de cidade-esponja.

A construção de parques alagáveis e a utilização de pavimentos permeáveis, resultando em uma significativa redução das enchentes urbanas. Em resposta ao furacão Sandy, Nova Iorque, nos EUA, adotou uma série de projetos de infraestrutura verde, como telhados verdes e jardins de chuva, para aumentar a absorção da água da chuva e reduzir o impacto das tempestades (NYC Environmental Protection). Melbourne, na Austrália, implementou uma estratégia abrangente de cidades-esponja, focando em sistemas de captura de água da chuva e na criação de corredores verdes que facilitam a infiltração e o armazenamento de água (City of Melbourne – Urban Water).

Marcel Ribeiro, CEO e especialista em sustentabilidade da GreenView, destaca a importância de adotar práticas de cidades-esponja para a gestão urbana da água: “As cidades-esponja representam um avanço significativo na adaptação das áreas urbanas às mudanças climáticas. Implementar essas soluções não só mitiga os riscos de enchentes, mas também promove um ambiente urbano mais saudável e sustentável.”

Ribeiro enfatiza a necessidade de políticas públicas e regulamentações que incentivem a adoção de infraestruturas verdes nas cidades brasileiras. “É essencial que governos, empresas e comunidades trabalhem juntos para integrar soluções de cidades-esponja no planejamento urbano. Isso garantirá que as cidades sejam mais resilientes e preparadas para os desafios ambientais do futuro.”

As cidades-esponja emergem como uma solução inovadora e necessária para a gestão das águas urbanas, especialmente em face dos desafios impostos pelas mudanças climáticas. Ao promover a absorção e o armazenamento natural da água, essas cidades não só previnem enchentes e melhoram a qualidade da água, mas também criam ambientes urbanos mais verdes e saudáveis. 

Mais informações em: GreenView.

PARCEIROS: